Buscar
  • Yasmin Rezende Dias

Por que mesmo vendendo você não vê lucro no final do mês?

Se você chegou a esse texto, provavelmente já se fez a seguinte pergunta: Por que mesmo vendendo, eu não vejo lucro no final do mês?


Pensemos na seguinte situação: você é dono de uma empresa e investe pesado nela, desde o treinamento dos funcionários, a manutenção do estoque, atendimento aos clientes e muitas outras coisas.


Inclusive, obtém bons resultados nas vendas, porém sempre parece que o investimento ficou maior que o lucro?


Pois bem, se essa é sua situação, é bem capaz que sua empresa não esteja tendo um retorno financeiro adequado.


Primeiramente, antes de mais nada, fique mais calmo porque essa é a realidade de muitas companhias, não só a sua.


Aliás, é até comum que muitos estabelecimentos enfrentam essa má fase quando lançam um produto novo sem muita estratégia ou mesmo quando estão no início das atividades.

De toda forma, o objetivo deste conteúdo é buscar esclarecer os reais motivos que levam uma empresa a ter um baixo lucro mesmo vendendo frequentemente.


Além disso, preparamos algumas dicas para você e sua equipe conseguirem restabelecer a gestão financeira do negócio e colocá-lo e fazê-lo crescer novamente.


Ficou curioso? Então continue a leitura e saiba mais!


O que leva uma empresa a ter um baixo nível de lucro mesmo vendendo bem?

Será que você sabe ou já desconfiou de algum dos motivos a seguir? Confira só:


1. Falhas no planejamento financeiro

Embora seja uma prática essencial para a sobrevivência de qualquer negócio, independente do porte da instituição, muitas empresas ainda deixam o planejamento das finanças de lado.

Contudo, isso é um verdadeiro passo em falso.


Afinal, é a partir dessa previsão que o gestor pode identificar a quantia de recursos necessários para manutenção da organização enquanto houver necessidade.

Isso acontece geralmente quando o empreendedor reconhece que seu setor tem um mau desempenho em um dado período.


Ou seja, se ele não tiver um planejamento em mãos, é grande o risco do empreendimento ter prejuízos e perder boa parte do estoque.


Sendo assim, quando há falhas no departamento financeiro, a companhia conta apenas com a sorte e esse descontrole pontual pode levar a perdas maiores mais na frente, incluindo a falência do negócio.

2. Não separar o patrimônio pessoal das contas da empresa

Quando uma pessoa fica responsável por zelar pelos seus recursos pessoais e também os de sua empresa, é possível que, em um momento ou outro, ela caia na tentação de juntar esses ganhos ou usá-los para cobrir uma dívida em aberto.


Diante disso, muitos empreendedores caem em completa confusão na parte das finanças, sendo que alguns deles já não conseguem separar de fato, os valores do estabelecimento com demais reservas econômicas.


Logo, além de representar uma falta de equilíbrio na gestão de seus recursos, o empresário terá dificuldade em projetar metas para o seu comércio, em razão da tamanha bagunça que sua vida se encontra.

3. Não prestar atenção às despesas

De fato, realizar uma boa gestão financeira não é uma tarefa tão simples, porém, essa atividade é extremamente necessária para qualquer pessoa que queira ter um aumento de capital.


Levando essa questão em conta, já é de se imaginar que, quando há um desequilíbrio nas contas da empresa, isso quer dizer que o administrador não tem noção das contas a pagar bem como dos recebíveis (contas a receber).


Muitas vezes, o empresário deixa a parte das finanças para uma pessoa que não conhece as boas práticas de mercado.


Em outras ocasiões, o empreendedor pode acumular essa função e, por já ser responsável por tantas outras, acabam perdendo o foco na gestão de seu dinheiro.


Consequentemente, esse descuido pode trazer problemas com a legislação fiscal (tributos) e também com o atraso do pagamento dos funcionários.


Portanto, sem ter uma planilha de gastos mensais, a parte fiscal e monetária da companhia corre o sério risco de ter débitos com a Receita Federal, sem falar dos fornecedores e dos demais colaboradores.

4. Não saber definir o preço do produto ou serviço

Gerir um empreendimento sem ter ciência das melhores práticas do setor de atuação da empresa e sem o auxílio de profissionais contábeis competentes, o setor financeiro da sua organização tende a ter quedas.


Isso porque, devido a essa falta de orientação e conhecimento, um dos erros cometidos é justamente não saber o valor ideal para o seu produto e/ou serviço. Ou ele pode ir pela intuição e estipular um valor não condizente com o mercado.


Em contrapartida, quando há boas práticas de gestão, facilmente essa definição chega: o primeiro passo é estipular quanto aquele item custa para ser produzido, desde a matéria-prima até a entrega ao consumidor.


Você já reparou nisso?


Pois é. Não saber estabelecer o valor do seu produto/serviço é dar chances ao acaso, isto é, não reconhecer o trabalho da equipe e pior: não ver o dinheiro do seu investimento tendo retorno.

5. Acumular dívidas e cair nos juros altos

Sem direcionamento, planejamento efetivo e despreparo financeiro, só tem uma coisa certa: as dívidas que se acumulam aos montes.


E não precisa ser nenhum gênio em contabilidade para entender que, em caso de muitos débitos, aquele dinheiro que seria usado na compra de novos insumos tem que ser realocado para o pagamento de uma fatura bancária que está gerando juros altíssimos.


Sem uma previsão do que será gasto com cada setor da empresa, não são só os funcionários e os fornecedores que vão ficar sem atenção, uma vez que é o patrimônio da empresa que está indo por água abaixo.

6. Ter um capital de giro elevado

Pegando gancho no item anterior, uma das causas do estabelecimento cair em dívidas é a deficiência de um fluxo de caixa eficiente.


Assim, para que o caixa consiga se manter bem, é preciso que a companhia tenha um capital de giro bem calculado.


Caso contrário, será preciso uma quantia muito grande de receitas para cobrir os custos da empresa enquanto não há tanto lucro.


Desse modo, quando o capital de giro está elevado demais, dá a impressão que todo o dinheiro das vendas vai para esse fim.


Sendo assim, é vital pedir o apoio de um contador especializado para calcular esse indicador corretamente e colocar sua empresa em melhores condições.

Afinal, como aumentar os lucros da minha empresa?

Diante de tudo que vimos até aqui, você já conseguiu identificar algum dos problemas que explicamos nos tópicos anteriores?


É bem possível que sim.


Portanto, não poderíamos citar a causa de você vender mais e não ver lucro no fim do mês sem trazermos algumas dicas práticas e eficientes para reverter essa situação.


Então, se seu objetivo é saber como fazer a organização financeira do seu negócio, preste atenção nos próximos tópicos e, assim que possível, comece a aplicar esses métodos no seu estabelecimento.

1. Gestão das compras e do estoque

Busque manter um equilíbrio entre o que é comprado e o que é mantido em estoque.

Considere que possuir um número de estoque elevado pode prejudicar a meta de aumentar os lucros da companhia, dado que se houver algum problema nas vendas ou no mercado, manter muitos produtos sem vender pode acarretar prejuízos.


Lembre-se sempre que ter um alto estoque parado significa crises no fluxo de caixa, que passa a ter seu dinheiro estacionado.


Por tudo isso, garanta que a rotatividade em sua instituição prevaleça, fazendo com que os itens armazenados não freiem o capital de giro e impeça o progresso da organização.

2. Preço dos produtos

Como falamos anteriormente, tenha em mente que esse fator é extremamente essencial para obter um bom retorno financeiro do seu produto/serviço lançado no mercado.


Desse jeito, tome nota dos custos de cada peça ou serviço oferecido, qual o lucro a ser batido e a forma como a peça será divulgada para os clientes.


Atente-se para o fato de que, caso a precificação saia errada, muito possivelmente o resultado dos seus investimentos vai ser comprometido negativamente.


Logo, foque em um preço assertivo, principalmente a médio e longo prazo, pois embora sua empresa venha a vender menos que a concorrente, isso pode representar maiores lucros a longo prazo.


Afinal, o consumidor procura produtos de qualidade, e em todo o tempo, não somente por um determinado período.

3. Canais de comercialização

Os canais de venda são os meios com que seus produtos/serviços chegam ao público-alvo da sua marca e adquirem suas produções.


Ainda que sua empresa utilize apenas os recursos tradicionais, como telefone, panfletagem e anúncio em rádio, considere aderir a novas formas de divulgação.


Atualmente, as compras pela internet são uma tendência, inclusive pesquisas mostram que o número de negociações on-line cresceu bastante no ano de 2020.


Tendo isso em vista, invista em formas de divulgação da sua marca pelas redes sociais.

Outra excelente dica é apostar em um e-commerce, caso sua empresa não tenha um.

Por fim, também é interessante aplicar o marketing de conteúdo em sua estratégia de vendas.


Para tal, contrate profissionais de marketing para a produção de posts para o blog da sua companhia e sua página profissional.


Como resultado, além do aumento de vendas, o seu negócio pode se tornar respeitado no setor/mercado de atuação, reforçando o seu lucro.

4. Monitoramento dos indicadores de desempenho (KPI-s)

Os Key Performance Indicator, em português Indicadores-Chave de Performance, são os medidores de desempenho de uma empresa.


A partir dos KPIs, o gestor consegue identificar em que o seu empreendimento está tendo bons resultados e o que precisa ser melhorado.


Alguns exemplos de KPIs importantes são o faturamento, a lucratividade e a liquidez dos recursos.


A definição dos indicadores é uma etapa primordial para entender e acompanhar o lucro da companhia, além de ser um meio de traçar as melhores técnicas de solução dos problemas.

5. Vendas cruzadas

A venda cruzada consiste em ofertar um produto ou serviço complementar ao outro item já negociado com o consumidor.


Quando essa estratégia é utilizada, a média de vendas por clientes aumenta consideravelmente.


Portanto, as chances de novas vendas cruzadas acontecerem crescem e, por consequência, o lucro ganha um adicional.

6. Terceirização do setor financeiro

A terceirização do setor financeiro é a passagem das atividades do departamento de finanças para outra equipe que não faça parte do seu quadro de colaboradores.


Os prestadores de serviços – que geralmente são contadores autônomos ou escritórios de contabilidade – passam a tomar conta de forma integral de todas as questões que envolvem a parte financeira da empresa que o contratou.


O chamado BPO Financeiro é o nome que se dá a essa prática, bastante eficiente em muitos segmentos empresariais, principalmente nos pequenos e médios negócios.


O Business Process Outsourcing – BPO ajuda o gestor a diminuir custos no seu empreendimento, uma vez que ao invés de manter uma alta taxa para manter um setor financeiro próprio.


Assim, eles economizam ao contratar um prestador de serviços que faça essa mesma função.

7. Fidelização dos clientes

A retenção dos clientes se trata de fidelizar um cliente pontual em um consumidor frequente.

Para isso, é necessário investir em um relacionamento sadio com esse indivíduo, oferecendo uma boa experiência a ele desde a negociação dos produtos até a entrega dos mesmos.


Além de representar um ponto positivo para o lucro do empreendimento, um cliente satisfeito se torna um propagador gratuito da sua marca.


Então, considere cada usuário como único, oferte uma experiência agradável do início ao fim e veja como o número de consumidores (e a lucratividade) vai aumentar.

Conclusão

Como vimos, para que a sua empresa tenha mais lucro, é necessário que ela adote boas práticas de gestão financeira e isso passa por estratégias, análises de mercado e muitas outras variáveis que influenciam no seu negócio.


De maneira geral, pudemos perceber que o crescimento do retorno financeiro não se detém somente em aumentar o preço dos produtos e/ou serviços, mas também em diversos métodos que levam a instituição ao sucesso empresarial.


Portanto, depois de identificar as causas do prejuízo, e após implantar as técnicas mencionadas acima, com o tempo seu empreendimento vai entrando nos eixos.


Lembrando sempre que é essencial contar com a ajuda de profissionais capacitados, como por exemplo, a ajuda de um escritório de contabilidade confiável e que possua serviços inovadores aliados à tecnologia.




16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo